domingo, 9 de março de 2014

Democracia Líquida, Democracia Funcional, Capitalismo Consciente, Adhocracia, Feedback Líquido: novas possibilidades para a Sociedade e as Empresas?

Na busca por alternativas a serem estudadas e aplicadas nas empresas, para que se tornem realmente "Seres Empresas" (organismos vivos, pulsantes e geradores de lucratividade - aqui entendido como algo maior do que simplesmente o meio - dinheiro / moeda corrente) encontrei o título dessa postagem, que compartilho, para leitura e reflexão.

Os dois textos a seguir foram traduzidos de dois links.

Minha intenção é de associar com a gestão no "Ser Empresa", que é meu trabalho, e provocar o debate sadio, inteligente e próspero.
Para isso, devemos fazer um paralelo associando a política social com a política empresarial.
Vvamos em frente (os grifos e cores das fontes são minhas):


----- texto 1 ---- 
por Jakob Jochmann

A palavra política vem do grego antigo "polis" 
- a cidade-estado em que o primeiro tipo de democracia foi realizada por seus cidadãos. 
Eles, como nós hoje, identificam os problemas e discutem entre eles. 
Isso acontece nas ruas e em bares e às vezes a contragosto em jantares de Ação de Graças. 
Em Atenas, os cidadãos se reuniam em uma colina designada e fora da cidade para discutir as questões atuais e criar soluções políticas. 
Todo homem livre, literalmente, apenas homens livres pelo caminho, tinha uma palavra a dizer e uma votação a fazer, para decidir sobre uma política para cada problema.
Assim a palavra na rua foi transformada em política. 
Esta entrada de cidadãos na elaboração das políticas é o que chamamos de democracia direta.

Estados-nação modernos, como Alemanha, em nosso exemplo, não compartilham um espaço público comum, onde todos os cidadãos pudessem se encontrar.
Chegar a um entendimento sobre questões comuns apenas por falar-lhes é inviável para a quantidade de pessoas que teriam que ser incluídos em nossas sociedades modernas.
Os problemas do nosso tempo são muito diferentes daquelas da Grécia antiga de três maneiras:
Por causa da diversidade entre os nossos cidadãos mitigar seus problemas é muito mais complexo. 
Além disso, ser um cidadão de hoje já não é uma vocação
Ao contrário dos homens de Atenas, geralmente temos que trabalhar para ganhar a vida e não vamos gastar todo o nosso tempo pensando e discutindo questões políticas .
Isso pode ser parte da razão pela qual muitas pessoas hoje sentem que não têm o conhecimento adequado de especialistas sobre essas questões para contribuir para a esfera política.

O que a maioria das democracias modernas fazem em vez disso é colocar representantes designados pela população para dedicarem-se em tempo integral, como políticos profissionais
Eles realizam a discussão pública de questões em nosso lugar. 
Os canais de mídia de massa repassam suas discussões de volta para as nossas sociedades. 
Mas apenas os políticos decidem sobre essas questões na arena política designada.
Nós, o público, temos a chance de votar em um representante com um ponto de vista do mundo ou com persuasão política em determinados intervalos anuais.
Na maioria dos nossos sistemas democráticos os representantes estão sendo organizados através da filiação partidária
E as maiorias que surgem na eleição, em seguida, começam a decidir sobre questões atuais e transformá-las em políticas que duram além de sua permanência.

Nós, cidadãos comuns não conseguimos ter uma entrada na elaboração de políticas durante esse tempo.
Esse sistema de política é o que chamamos (para os fins desta explicação) democracia indireta.

Recentemente, há pessoas que já não estão satisfeitas com um sistema tão rígido que elimina a participação dos cidadãos em relação à política. 
Eles argumentam que qualquer cidadão, em qualquer momento, deve ter a chance de fazer sua voz ser ouvida no processo de elaboração de políticas, ainda que não queiram se tornar políticos em tempo integral.
Políticos em tempo integral e os partidos ainda podem ser útil, mas a cada cidadão deve ser dado um voto para cada questão em debate sobre a mesa. Neste sistema, as pessoas podem optar por delegar o seu voto para outra pessoa, a quem eles confiam para tomar uma decisão informada em seu lugar, que por sua vez pode delegar esses votos recolhidos ainda sobre uma outra pessoa, um político que representa um certo mundo ver, talvez.
Eles também podem optar por eleger-se políticos profissionais.
E agora as pessoas também terão de votar sobre políticas diretamente. 
Assim, existem várias maneiras em que a entrada de pessoas pode ser transformadas em política.
Além disso, sempre que há um problema específico em que uma pessoa tem uma opinião tão forte que eles não querem confiar em mais ninguém para tomar a decisão por eles, eles podem ter de volta o seu voto a partir da pessoa que foi delegada por ele, e votar ele mesmo diretamente.
É essa alternância fluída entre democracia direta e democracia indireta que dá nome ao sistema proposto de democracia líquida.

A tecnologia moderna - TICcriou um espaço público que tornou possível a todos os cidadãos poderem habitar e participar.
Em vez de em uma colina fora da cidade podemos nos encontrar no ciberespaço.
Podemos discutir eventos on-line para determinar questões que justificam a elaboração de políticas. 
As ferramentas de colaboração, dos quais
Wikipedia e Wikimapia 
são apenas um pequeno exemplo, podem facilitar formas pelas quais muitas pessoas podem ter uma entrada em políticas. 
E computadores e criptografia moderna podem registrar os votos e sua delegação, para que possamos decidir sobre essas políticas.
Desta forma, todos os cidadãos poderiam participar na política fazendo mais uma vez , assim como sobre a Ágora, o morro do lado de fora de Atenas.

---------- texto 2 ---- 
por Jose Ramos

Democracia Líquida é uma das mais ousadas inovações contemporâneas na tomada de decisão democrática.

A ideia utiliza a tecnologia web que permite aos usuários interagir de novas maneiras.
Seus inovadores primários estão localizados em Berlim, e a Alemanha foi o primeiro a adotar e aplicar Sistemas de Democracia Líquidas no contexto dos partidos políticos , processos parlamentares e algumas organizações.

Ela possui uma série de características-chave.

Um membro do partido pode atribuir um voto por procuração a qualquer outro membro , atribuindo assim um delegado pessoal, em vez de votar por um representante.

Um membro pode dar o seu voto a um outro membro para todas as questões, por uma área política específica, ou para uma determinada decisão apenas por qualquer período de tempo.

Esse voto pode ser rescindido a qualquer momento.

Sob esse sistema, uma pessoa pode se tornar um delegado para vários membros dentro de um sistema político muito rapidamente, liberando o poder político normalmente reservado para os eleitos.

Mas uma pessoa pode perder este poder tão rapidamente.

Este é o "líquido" na Democracia Líquida, um processo que também pode ser chamado de "delegação transitiva".

Se alguém é respeitado como um especialista de confiança em uma determinada área , ele pode ganhar votos dos membros. 
Como resultado, cada pessoa dentro de uma plataforma de Democracia Líquida é um político em potencial.

------------- meus comentários -----

Parece bem interessante a proposta da Democracia Líquida.
Antes de partir para alguns questionamentos, encontrei mais algumas informações que, caso queira, poderá acessar e vai complementar esse debate:
ADHOCRACIA





FEEDBACK LÍQUIDO





Assim, vale questionar, fazendo a livre associação de ideias, com foco no Ser Empresa:

a) O que lhe parece? É possível adotar essa forma de decisão na empresa?
b) Até que nível dentro do organograma isso pode ser aprofundado?
c) Será que isso pode expor a empresa em grau de risco perante os concorrentes?
d) Poderá transformar a forma como administramos em cargos de decisão?
e) Conseguiria agilizar as soluções no nível operacional?
f) Levaria a um maior comprometimento em todos os níveis?
g) Traria mais presença ao invés do "corpo mole"?
h) Um melhor fluxo de informações estaria percorrendo nos dois sentidos do organograma? Será que o organograma resistiria?

Eis algumas questões para um debate a ser realizado.

E mais uma, para instigar o pensamento:

Será que as empresas, com sua estrutura atual, conseguirão sobreviver a um futuro que, com toda certeza, será completamente diferente em relação a mercados, clientes, fornecedores e negócios?

O que sinto é que as formas atuais de representação política social já não trazem nem correspondem às necessidades do mercado. 
E nas empresas, como você sente essa necessidade de representação do cliente interno?

Mudanças se fazem e a Democracia Líquida, bem como a Democracia Funcional e o Capitalismo Consciente podem ser alternativas a serem adotadas, tanto na sociedade, como nas empresas.

Está aberto o debate... vamos conversar!

Fontes:
Adhocracia.de - Uma plataforma de participação livre para usar que permite um diálogo democrático, transparente, aberta e orientada para o objetivo-foco
Liquid Feedback - é um software de código aberto, alimentando plataformas de internet para o desenvolvimento de proposições e tomadas de decisão.


http://synerhgon.com.br/

PS: Se gostou, compartilhe com sua rede de contatos aí na empresa e nas redes sociais. Se tiver dúvidas ou queira compartilhar suas sensações, deixe seu comentário e conversamos. Syn! Vibro que aprecie muito!

curta.contate.siga.vamos.juntos