quinta-feira, 30 de julho de 2009

Gestão de Materiais – o "buraco negro" organizacional – Almoxarifado

Imagine a seguinte cena a seguir...
Parece tirada daqueles filmes de ficção científica, algo entre Alien o 8º. passageiro e Star Trek.
Vamos em frente.

O ambiente está carregado de prateleiras altas, corredores apertados, cantos escuros, luzes difusas e existe uma infinidade de peças, componentes, porcas e parafusos, materiais de consumo e de apoio, botas, capacetes, eletrodos, graxa, estopa, motores “guardados” e pessoas que se movimentam por entre estes corredores num vai e vem constante.

Observando-se à distância, constata-se que parecem estar fazendo algum tipo de balé ou dança indígena, pois andam, param, esticam as pernas, levantam os pescoços, os corpos e os braços, as mãos tateiam algo acima das cabeças, param, se viram, olham para baixo, se agacham, viram de um lado ao outro, tornam a se por de pé, balançam a cabeça (e alguns a coçam)... as feições de seus rostos são sempre uma mistura de confusão, de surpresa e de pavor... como se já tivessem passado mil vezes pelo mesmo cenário e ainda não conseguiram ter alguma forma de referência física que lhes dê uma dica, um sinal.


Às vezes parecem que estão brincando aquele jogo pedagógico de Quente, Morno e Frio, quando alguém esconde algo e pede para o outro achar, sinalizando verbalmente a situação de proximidade.


E para complicar e aterrorizar mais a cena é possível encontrar nessa caminhada fantástica entre corredores e caixas e pilhas alguns objetos tão surreais como a 1ª. churrasqueira do big boss, um triciclo com a roda torta que era do filho do dono quando tinha 6 anos (hoje, com 28 anos já ocupa um cargo de destaque na nave espacial... ops! na organização) sem falar naqueles amontoados de “alguma coisa” que foram usadas uma vez quando o patrão ainda era jovem e que como não tinha lugar melhor para por (e um apelo emocional), foi parar ali... num espaço dentro do buraco negro... ops! desculpem-me.... no almoxarifado.


Parece realmente um filme de ficção científica, mas se você puder visitar seu almoxarifado, esteja preparado, pois de repente pode se encontrar num cenário muito parecido com o acima.
E como a cada dia o planeta, as organizações, os mercados e você se modificam, se ampliam e se tornam mais e mais complexos (frutos da evolução de bilhões de anos) e adiciona-se a isso a taxativa presença imposta dos governos, de repente você pode descobrir que está pagando impostos elevados somente por ter um almoxarifado abarrotado de... muito pouco do que sua organização precisa de fato para produzir e muito muito do que pouco se aplica ao seu “core business”.


Isso demonstra que é preciso encarar de frente o desafio da gestão de materiais, para não ser penalizado com custos elevados por um despreparo quando se trata de comprar, receber, estocar, manter e aplicar materiais ao seu negócio, seja indústria, comércio ou serviço.
E isso começa com um almoxarifado limpo, bem iluminado, bem sinalizado, bem distribuído espacialmente, bem controlado em seus itens lá estocados, codificação clara, apoiado por um sistema de informação que permita manter o simples e complexo desafio de que a quantidade física seja idêntica à quantidade virtual, um apoio aos colaboradores que lá trabalham, entre outras importantes atividades, como padrões, regras e procedimentos.


Com isso feito, ganha-se e muito em Tempo, Qualidade e Custo, que vai refletir no resultado, concorda?

Acesse
www.synerhgon.com.br e saiba como podemos tornar seu buraco negro em fonte de economia.

http://synerhgon.com.br/SYNERHS_curso_almoxarifado.htm

PS: Se gostou, compartilhe com sua rede de contatos nas redes sociais. Se tiver dúvidas ou queira compartilhar suas sensações, deixe seu comentário e conversamos. Syn! Vibro que aprecie muito!

curta.contate.siga.vamos.juntos
     

sábado, 25 de julho de 2009

PLANEJAMENTO e o extintor de incêndio vermelho - Ativação do ciclo PDCA

Responda rápido?
Por acaso essa imagem abaixo lhe é familiar?


Envolvido com contatos em organizações diversas e seus dirigentes e colaboradores, notei que uma significativa e expressiva parcela ainda não se aventurou (sim, eu sei... é uma aventura!) na aplicação de enfoque sistêmico quando o tema é planejamento.

Algumas ainda não conseguiram por “pura falta de tempo” !?!?!?! (ainda vou explorar isso em algum outro post, com certeza) praticar a espetacular atividade de planejar, seja no curto, médio ou menos ainda no longo prazo... e acabam por agir de forma desordenada, atuando apenas no curtíssimo prazo.


A cena é forte...

Com isso carregam todos um extintor de incêndio vermelho igual àquele que encontramos em cada um dos corredores da sua empresa... Leves nos primeiros 10 minutos do início dos trabalhos e verdadeiras "bombas A" antes da sua primeira ida ao banheiro.
A cena se repete dia após dia e confesso... já é bem complexo cada um de nós “se carregar” e ser completo e integral nos relacionamentos profissionais, sociais, familiares e pessoais, não é mesmo?

Então, se você se achou presente.
E se identificou no cenário acima, está na hora de colocar em prática o ciclo PDCA.

http://synerhgon.com.br/SYNERHS_palestra_lucro_pdca.htm
A ativação do ciclo PDCA é ponto de partida para que se amadureça a importância de que cada etapa do ciclo deve acontecer, se e somente se, a anterior estiver completada, identificada, conhecida e muito bem entendida.
entendido por você e por todos de sua empresa.

Tudo deve sempre começar com o Planejamento e após um ciclo completo retornamos a ele para – e isso é genial – aprimorá-lo e lá vamos nós de novo. 
A cada ciclo fechado, temos a maravilhosa oportunidade de planejar o próximo movimento e com o passar do tempo (que não tínhamos, lembra-se?) acabamos por descobrir que... “puxa, agora temos tempo!” 
E isso vai trazer de presente a revigorante sensação de que é possível enxergarmos um horizonte (seja aquele sol de verão ou esse frio gelado que estamos invernando nesses dias de julho) e tomarmos a melhor decisão para Reativar o ciclo e encarar mais uma volta completa.

Ativar o ciclo PDCA é algo simples e complexo (como sempre falo...)

Mas que invenção maravilhosa do final dos anos 1920 e que sensacional ver Deming “bombar” com sua persistência e disciplina a partir dos anos 1930 e nos deixar a certeza de que este “instrumento básico da qualidade” é poderoso, se bem entendido e enriquecedor, se bem aplicado.

Quer realmente mudar?
Quer realmente tornar mais claro, ciente e presente essa atividade?

Basta acessar agora www.synerhgon.com.br e vamos conversar; somos um grupo que faz girar forte e firme o PDCA.

Acesse abaixo o mesmo post no website QualidadeBrasil:

http://www.qualidadebrasil.com.br/artigo/qualidade/planejamento_o_extintor_de_incendio_vermelho

PS: Se gostou, compartilhe com sua rede de contatos nas redes sociais. Se tiver dúvidas ou queira compartilhar suas sensações, deixe seu comentário e conversamos. Syn! Vibro que aprecie muito!

curta.contate.siga.vamos.juntos

     

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Gestão Comercial – na corda bamba - ações “PQRST” já!

Tenho sentido que o ciclo de mudanças externas que as organizações, sejam de pequeno, médio e grande porte enfrentam, após a derrocada norte-americana, traz em todo o planeta Terra uma tremenda e urgente necessidade de se reciclarem internamente.


Ou veremos ainda com assombro e temor novas ondas de dirigentes equilibristas na tentativa de se manterem na corda bamba entre os custos e os lucros, passarem a realizar strip-teases aéreos.

E cá entre nós, que cena bizarra!


Pois manter-se de pé neste cenário e ainda ter que caminhar de uma ponta a outra, segurar a vareta do ponto de equilíbrio e tirar a roupa para evitar a queda fatal... é no mínimo estarrecedor!


Nesse sentido, dentro do grupo que trabalho apresentei uma alternativa de ações que gostaria de repartir de forma concisa consigo, como tenho feito nas palestras e nos serviços que oferecemos.

É um conjunto de ações denominadas “PQRST”.
http://synerhgon.com.br/Evento_Synerhgon_www.synerhgon.com.br%20.pdf

Surge da busca de interpretarmos o Passado, o Presente e o Futuro e unir de forma sistêmica com atuação dinâmica para prosseguir sem perder o foco.


O conceito “PQRST” é composto de 5 fases, que devem ser aplicados em conjunto, daí a valiosa participação de todos de sua organização nessa ação:

“P” indica “PRESENÇA REAL” que significa definições claras das Políticas Internas, Comerciais e Externas.

“Q” é “QUALIFICAR” e tem como base de ação a aplicação de Pesquisas Quantitativas e Qualitativas.

Já o “R” é bem delicado, mostra o “RECONHECER” e se baseia em Políticas de reconhecimento, Gestão de custos e benefícios e Senso de curto, médio e longo prazo.

Em conjunto entra o “S”, que significa “SER ÉTICO”.... isso é polêmico, pois tem foco ativo em Política de Recursos Humanos, aplicação de Missão, Visão e Valores e integração forte de Corpos, Mentes e Espíritos de cada ser humano e, claro, da sua organização.

Finalmente o “T” de “TECNOLOGIA”, que se apóia em Política de atualização, S.L.A. e Política de implantação.


Os tempos são de grandes mudanças...
A tal "Internet das Coisas" _ IoT começa a dar ar da graça e pode acreditar que os impactos serão mais sentidos, principalmente na atuação comercial.
Será preciso disciplina e participação sinergética de cada um dos colaboradores, que vai gerar uma corda mais firme, pontas em equilíbrio vertical, varetas mais leves e maiores e evitar termos que sair nas manchetes como Deus nos fez, algo muito sem graça, cá entre nós, não acha?

Vamos nessa?
Faça contato comigo aqui ou acesse www.synerhgon.com.br e fale conosco, para podermos ajudá-lo nesse desafio.

Acesse o post que acabou de ler no website Administradores abaixo:


http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/gestao-comercial-na-corda-bamba-acoes-pqrst-ja/47390/


PS: Se gostou, compartilhe com sua rede de contatos aí na empresa e nas redes sociais. Se tiver dúvidas ou queira compartilhar suas sensações, deixe seu comentário e conversamos. Syn! Vibro que aprecie muito!

curta.contate.siga.vamos.juntos

     

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Gestão Comercial com Rentabilidade: Excelência em Pós-Venda

Observe em seu ambiente de trabalho como estão e quais são as interfaces de contato com sua base de clientes.
Entenda que clientes aqui identificados significam aqueles realmente clientes da empresa, isto é, já estão a realizar negócios e, portanto, navegaram pelo funil inteiro.

Funil este que incluiu a segmentação, prospecção, contatos telefônicos, emails, visitas, propostas, iniciou-se uma conquista que evoluiu ao longo do tempo (tempo este variável e difícil de determinar, nos causando urticárias porque sempre queremos que seja o menor possível) e que após este árduo esforço (e também o mais caro de todo o ciclo de vendas) passaram a se relacionar com sua empresa... 

Ufa!!! e Viva!!!!

E aí começa o grande desafio da rentabilidade.
Pesquisas confirmam que reconquistar um cliente inativo é até sete vezes mais barato do que conquistar um novo e que o assustador percentual de 64% vai abandonar seus produtos e serviços pelo dos concorrentes por perceberem uma... simples ... atitude de indiferença!!!
Dentro desse quadro negro (que se torna um buraco negro, como aqueles encontrados no espaço e que sugam a tudo a sua volta) acima, um fator precisa ser considerado e extremamente controlado: a rentabilidade.



http://synerhgon.com.br/SYNERHS_curso_venda_pos.htm

Rentabilidade é tão importante quanto a lucratividade e dela depende.
E como indica o percentual de remuneração do capital investido em sua empresa, portanto é uma informação que precisa ser considerada ao longo do tempo. 
Não é possível avaliar a rentabilidade no curto prazo e aí se encontra o ponto chave e crítico do sucesso para seu negócio prosperar.

Assim podemos concluir que o que vai manter e gerar a rentabilidade esperada é uma correta, constante, permanente e inteligente ação junto a sua base de clientes, pois quanto mais estes clientes permanecerem se relacionando e comprando de sua empresa, melhor e mais ganhos são realizados, com vantagens a todos os envolvidos: 

seus clientes, seus colaboradores, seus fornecedores, seus investimentos, lucratividade e óbvio, a sua rentabilidade.
Portanto, pare de se justificar com apelos do tipo “crise” e comece a focar seus esforços também na gestão de relacionamento com sua base de clientes.


Isso requer, como tudo, uma disciplina de sua equipe de vendas, algo que, venhamos, não é muito comum em vendedores, dada a tremenda necessidade de buscar novos clientes, certo?
Errado!!!!


Um vendedor profissional já sabe que o segredo de uma carteira recheada (de clientes e de faturamento) inclui a gestão de sua agenda de trabalho diária, semanal, mensal, trimestral, semestral e anual... no mínimo, não é verdade?
Então, mãos à obra, ou melhor, a sua base e comece a gerar rentabilidade, senão aquela sua preferência, sua necessidade, seu desejo vai ficar cada dia mais longe, até sumir... nas mãos ágeis de seus concorrentes. 

Ah! 
Você vai afirmar: "Isso dá um trabalhão!"
Respondo; muito menos que a conquista desses clientes, pode acreditar.


Quer realmente ter e oferecer "excelência" aos seus clientes?
Então posso lhe oferecer duas excelentes alternativas:
A primeira é adotar uma semente para colher rápidos resultados tanto para sua equipe de vendas quanto a administração de vendas.
Acesse com um clique e veja os temas de PRÉ-VENDA, VENDA E PÓS-VENDA.
E vamos conversar!
Bom trabalho, abundância e prosperidade a todos, sempre!

Saiba que para aqueles que participam de qualquer uma das capacitações acima, ganham uma SUPERVISÃO FOCAL FREE para garantir que coloque em ação toda a teoria desenvolvida.

A segunda alternativa é agora você, compartilhar com sua rede de contatos aí na sua empresa e nas redes sociais. E, se tiver dúvidas ou queira compartilhar suas sensações, deixe seu comentário e conversamos. Syn! Vibro que aprecie muito!

curta.contate.siga.vamos.juntos